Literatura brasileira, Mário Quintana, Poemas

Ser e estar

A nuvem, a asa, o vento,
a árvore, a pedra, o morto…

tudo o que está em movimento,
tudo o que está absorto…

aparente é esse alento
de vela rumando um porto

como aparente é o jazimento
de quem na terra achou conforto…

pois tudo o que é está imerso
neste respirar do universo

– ora mais brando ora mais forte
porém sem pausa definida –

e curto é o prazo da vida

e curto é o prazo da morte.

Mário Quintana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s